Conceitos Básicos de Força e Resistência Muscular Localizada

Além da periodização e da definição da ginástica localizada, outros dois termos são de extrema importância nessas atividades.

Nas atividades de ginástica localizada, o executante visa, principalmente, o desenvolvimento de duas capacidades físicas importantíssimas: a força e a resistência muscular localizada.

– Força 

A Força refere-se à capacidade dos músculos de exercer tensão.

Quando realizamos qualquer treinamento que vise melhorar a força muscular de seus executantes, não podemos deixar de destacar termos relacionados à contração muscular.

A contração pode ser definida como o encurtamento das fibras musculares como resposta normal a um estímulo nervoso. Sendo assim, quando a pessoa realiza qualquer movimento, seu corpo estará realizando as chamadas contrações musculares.

De uma forma didática, existem 3 tipos de contração:

• Contração isotônica (ou dinâmica): elementos contráteis do músculo são contraídos, os elementos elásticos não modificam seu comprimento, perceptível quando realizamos um movimento. Por exemplo: a flexão do cotovelo;

• Contração isométrica (ou estática): há contração dos elementos contráteis do músculo, mas os elementos elásticos são estirados, onde o desenvolvimento de força ocorre sem movimento articular aparente. Tipo de contração sem movimento visível articular (embora exista encurtamento de fibras), como exemplo: a musculatura da panturrilha para manter a posição em pé;

• Contração autotônica: representa uma combinação das solicitações isométrica com isotônica.

Porém, quando estudamos sobre força não podemos deixar de comentar sobre outro termo: a resistência de força.

A resistência de força é a capacidade de resistência à fadiga do organismo, em caso de performance de força de longa duração; ou a capacidade do músculo de repetir movimentos idênticos durante um tempo prolongado ou manter um certo grau de tensão durante um longo período.

Diz respeito à capacidade de executar determinado movimento de forma mecanicamente eficiente, durante o maior tempo possível. Tão ou mais importante que o próprio fornecimento de energia, são as possibilidades de se permitir sua continuidade e aproveitamento, sem que se instale a fadiga.

Esta forma de manifestação de força é requerida nas atividades diárias, especialmente as de repetição sistemática de algum movimento. Na resistência muscular localizada é exigido menos de um sétimo da massa muscular total do corpo.

O treinamento de força muscular também é um componente muito importante nas atividades de ginástica localizada. Ela pode se manifestar pela força dinâmica e pela força estática.

A força é dinâmica quando existe um encurtamento das fibras musculares, provocando uma aproximação e afastamento dos segmentos. A força dinâmica é subdividida em dois tipos:

• Concêntrica: maior que a sobrecarga do movimento. É aquela em que a força muscular aplicada é maior que a resistência. A força vence a resistência, produzindo-se o movimento positivo.

• Excêntrica: menor que a resistência oferecida. Quando a força “perde” para a resistência (movimento negativo). Utiliza aplicação de sobrecarga na fase negativa. Também utilizado em trabalhos de reabilitação de lesões.

Exemplo para utilização em atividades de ginástica localizada:

Fase 1: Fortalecimento de bíceps braquial – fase positiva (contração concêntrica do cotovelo);

Fase 2: retorno através da extensão dos cotovelos – fase negativa (contração excêntrica).

Na força estática não existe encurtamento das fibras musculares, não havendo assim o movimento, o que se caracteriza por “contração isométrica”.

Então, nesse tipo, a força exercida é igual à resistência, sem que ocorra movimento. Esta manifestação de força é muito utilizada em atividades que têm por objetivo a reabilitação músculo – articular, sendo adotada para o fortalecimento de pontos críticos de angulação de movimento em gestos desportivos variados.

Atenção! 

Para que haja adaptações fisiológicas provenientes do trabalho de força, o músculo deve ser submetido a uma sobrecarga de esforço acima daquela em que ele habitualmente está acostumado a trabalhar.

Cada estímulo favorece ao músculo um desgaste, que implicará em um período de tempo para a sua recuperação. Quando sucessivos estímulos são aplicados, o músculo se adapta, aumenta sua capacidade para gerar força, no chamado princípio da sobrecarga. Contudo, se a aplicação das cargas de esforço e de recuperação não obedecerem a uma progressão adequada, não se evidenciará aumento da força.

Uma ação muscular concêntrica pode ser definida como o processo de encurtamento dos músculos durante uma ação. Por exemplo, quando levantamos um peso, os músculos envolvidos nessa ação vão se encurtando no decorrer do movimento que fazemos para suspender o objeto, ou seja, durante a ação muscular concêntrica, ocorre a contração.

Já a ação muscular excêntrica é oposta à ação concêntrica, ou seja, quando abaixamos o peso de forma controlada, os músculos envolvidos se alongam.

Na ação muscular isométrica um músculo é ativado e desenvolve força sem causar movimento numa articulação, ocorrendo uma ação muscular isométrica. Isto pode acontecer quando um peso fica seguro imóvel ou quando é muito pesado pra ser levantado a uma altura maior.

– Resistência muscular localizada 

Resistência é a qualidade física que permite um esforço proveniente de exercícios prolongados, durante um determinado tempo.

Pode ser dividida em 3 tipos:

• Resistência aeróbia – é definida como sendo uma qualidade física que permite a um atleta sustentar por um período longo de tempo uma atividade física relativamente generalizada em condições aeróbicas.

Como exemplos, podemos citar: uma maratona, uma corrida de 40 minutos, uma aula de ginástica aeróbica.

• Resistência anaeróbica – Permite ao atleta sustentar a atividade em débito de oxigênio. A principal variável é o tempo. O objetivo é manter a velocidade e o ritmo apesar do crescente débito de oxigênio. Provoca fadiga bioquímica e neuromuscular.

• Resistência muscular localizada – Permite ao atleta realizar num tempo maior possível a repetição de um movimento com a mesma eficiência. Permite a continuação do esforço, tanto em condições aeróbicas quanto anaeróbicas. Depende da duração do esforço para determinados grupos musculares.

Sendo assim, em uma atividade de ginástica localizada fica clara a presença superior do desenvolvimento da força e da resistência muscular localizada. Principalmente no que se refere ao treinamento específico de cada parte corporal ou na região muscular.

Gostou do artigo e quer saber mais sobre o assunto? Confira os cursos de GInástica LocalizadaMusculação do Iniciante ao AvançadoTreinamento Funcional e o nosso portfólio de cursos na área de Educação Física e Esporte.

portaleducacao.com.br